Você sabe o que significa o símbolo (T)?

Alimentos TransgênicosOrganismos transgênicos são aqueles que receberam materiais genéticos de outros organismos, mediante o emprego de técnicas de engenharia genética. A geração de transgênicos visa obter organismos com características novas ou melhoradas (supostamente) relativamente ao organismo original.

OGM (Organismo Geneticamente Modificado) é um organismo que teve o seu genoma modificado em laboratório, sem todavia receber material genético de outro organismo.

Todo transgênico é um organismo geneticamente modificado, mas nem todo OGM é um transgênico. (Wikipédia)

No ano de 2008 a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio aprovou a liberação comercial do milho geneticamente modificado NK603, tolerante ao herbicida Roundup da Monsanto S/A, e atualmente cultivado em todo o Brasil.

Para o leigo entender o que se passa, o agrotóxico Roundup da Monsanto atua matando todas as ervas daninhas ao cultivo do milho, menos o próprio milho geneticamente modificado NK 603. Hoje, os principais OGMs no mercado são a soja e o milho, e curiosamente eles foram criados pelas mesmas empresas que dominam o mercado internacional de agrotóxicos.

Como todas Maizena feita com milho transgênicoas liberações comerciais de organismos geneticamente modificados no Brasil, os estudos que embasaram a autorização do plantio, comercialização e consumo deste transgênico se basearam em pesquisas efetuadas a curto prazo, e estudos não publicados elaborados pela própria empresa proponente.  Isto mesmo! Os estudos foram feitos pela própria empresa interessada na liberação do plantio, comercialização e consumo do milho NK 603!

Atualmente, além deste evento geneticamente modificado, outras 05 (cinco) variedades de milho transgênico possuem o evento NK603 em sua composição. No total temos 6 variedades de milho com o evento NK603 no Brasil.

Veja esta esclarecedora apresentação de slides:

 

Novas pesquisas

Recentemente foi publicado pela revista científica “Food and Chemical Toxicology” (uma das mais importantes em estudos científicos relacionamos à toxicologia alimentar) estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Caen, França, por meio do qual comprovou-se alterações metabólicas pelo consumo do milho geneticamente modificado NK603, casado ou não à utilização do herbicida Roundup.

O estudo foi realizado ao longo de 2 anos com 200 ratos de laboratório, avaliando-se mais de 100 parâmetros. Os animais for am alimentados de três maneiras distintas: apenas com milho NK603, com milho NK603 tratado com Roundup e com milho não modificado geneticamente tratado com Roundup.

As doses do milho e/ou Roundup administradas aos animais foram equivalentes àquelas a que está exposta a população dos Estados Unidos em sua alimentação cotidiana.

Os resultados comprovaram que a alimentação com o milho geneticamente modificado tratado ou não com o herbicida da Monsanto, assim como o milho normal tratado com o herbicida pode dar origem a grandes alterações fisiológicas.

Transgênico causa até 3 vezes mais câncerEstas alterações levaram a índices alarmantes de mortalidade e o aparecimento de grandes tumores cancerígenos em curto período. O estudo comprovou que a alimentação com o milho transgênico causa até 3 vezes mais câncer.

Reação no Mundo

Como resultado da publicação do resultado da pesquisa  a Rússia suspendeu a importação deste milho e a França requereu estudos mais aprofundados sobre a segurança do milho NK603.

Além disso, o governo francês sustentou que, dependendo dos resultados, defenderá a suspensão deste evento em toda a União Européia com a proibição de qualquer cultura de organismos geneticamente modificados (OGM).

Reação no Brasil

Várias entidades da sociedade civil enviaram ofício às maiores autoridades do governo brasileiro relacionados à área, como IBAMA, ANVISA e CNBS (Conselho Nacional de Biossegurança) entre outros mas até o momento nenhuma atitude foi tomada até onde verifiquei.

Neste ofício são expostos os detalhes da nova pesquisa e é exigido das autoridades que se faça cumprir a lei, que determina a reavalição da liberação da comercialização do milho NK603 baseado em “fatos ou conhecimentos científicos novos, que sejam relevantes quanto à biossegurança do OGM ou derivado”.

Esta solicitação é solidamente e juridicamente fundamentada na Lei Nacional de Biossegurança (Lei 11.105/205).

Resta aos governantes fazerem cumprir a lei…

Conclusão

Não podemos deixar que um certo ganho de produtividade nas culturas de alimentos sejam argumento para o plantio e consumo de sementes geneticamente modificadas sem que estudos aprofundados e de longo prazo sejam realizados para que tenhamos certeza da nossa segurança alimentar.

É incrível e inadmissível que pesquisas destes nível de relevância à saúde da população brasileira sejam conduzidas apenas pelas
empresas proponentes de pedidos de liberação comercial de transgênicos. Os objetivos e interesses destas empresas estão ligados somente na obtenção de lucros. Qualquer estudo desta natureza deve ser totalmente separado de interesses econômicos.

Sabemos que os interessalimentos transgênicoses econômicos, principalmente no Brasil, pairam sobre as mais importantes decisões governamentais nas mais diversas áreas, inclusive a alimentar.

No Brasil, desde 2003, a justiça exige que os alimentos produzidos com mais de 1% de ingredientes transgênicos devem ser comercializados com este símbolo nos seus rótulos:

Resta a nós consumidores ficarmos alertas. A informação é a nossa maior arma. Se houver um boicote a produtos transgênicos, qualquer que seja ele, duvido que haverá alguém interessado em comercializar um produto com a marca (T). Isto se refletirá em toda a cadeia, acabando também com o plantio destes organismos geneticamente modificados.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *